segunda-feira, 17 de abril de 2017

Ele que me inspirou a ter mau feitio

Tendo em conta o post anterior, curiosamente, comigo, os alunos mal educados, também têm tendência a "deixar de precisar de explicações", ou até arranjar "um familiar que os vai ajudar até final do ano"! E eu... sem charuto, mas com cadeira, refastelo-me e digo: "Eh eh eh!"

Atenção, a missão dele, era muito mais complexa, pois os alunos eram "obrigados" a estar ali e a turma tinha pelo menos 2 ou 3, quando não eram 7 ou 8 idiotas ao mesmo tempo. No meu caso é diferente e muito mais raro, mas, de vez em quando lá aparece um idiota que resolve pagar para dizer que "tem explicações de matemática" e que vais para lá, com a atitude que eu imagino ser a mesma que tem nas aulas. Eu, que tenho "personalidade vincada" (ou como dizem lá no norte: um feitio fodido) não aceito isso, faço o que posso para "agarrar" o interesse do miúdo, mas quando me deparo com idiotas em formação, torno as coisas um bocado desagradáveis para toda a gente. Há uns que só têm explicações comigo um ano, outros que saem a meio do ano. Isto é válido para ambos os sexos e para os vários níveis de ensino.

Este ano já foram dois por esses motivos.

No entanto, os... "mais difíceis" têm tendência a ficar e até nos damos lindamente. Ainda na semana passada estive, depois de duas horas seguidas de explicação, quase 45 minutos à conversa com um miúdo que só neste ano lectivo, já foi suspenso uma vez e foi parar ao hospital 3 por andar à porrada na noite. Este está referenciado pela PSP e todos os outros miúdos que o conhecem, dizem que ele "é maluco". Curiosamente, é dos miúdos com quem mais gosto de trabalhar! Ele mete dúvidas, desde as mais simples quando não entende algum conceito de cultura geral, aos relacionados com a matéria e tem outra característica que eu aprecio muito: se o deixar 5 minuto sozinho, ele fica a trabalhar, enquanto a esmagadora maioria, vai agarrar-se ao telemóvel.

Muita gente na minha área, tem excelentes resultados (pelo menos, eu suponho que sim) dando reforço positivo aos miúdos, já eu, tenho essa falha enorme, pois sinto que sou muito mais parecido com o (falecido) Pedro Núncio. Pode ser que com o passar do tempo isso mude.

Sei...

4 comentários:

  1. Por sorte as minhas filhas amam matemática (saem ao pai). Caso contrário, iria procurar-te! Assim mesmo é que é!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho para mim, que me estás a dizer que elas são difíceis! :)
      Também não é preciso "amar" aquilo, vá. Mas gostar ajuda muito :)

      Eliminar
  2. Então... um miúdo... em quem vale a pena não desistir... e que se calhar até vive num meio familiar pouco estruturado, do ponto de vista psicológico... hoje em dia, muitos pais deixam os miúdos entregues a um qualquer ecrã para se entreterem... e vão à vida deles... não lhes prestando muita atenção, orientação, nem afectos....
    Bjs
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas o mais curiosos, é que eu trabalho lindamente com esses miúdos!

      Bjs

      Eliminar